segunda-feira, 6 de agosto de 2012

ARTE PRÉ-HISTÓRICA


Um dos períodos mais fascinantes da história humana é a Pré-História. Esse período não foi registrado por nenhum documento escrito, pois é exatamente a época anterior à escrita. Tudo o que sabemos dos homens que viveram nesse tempo é resultado da pesquisa de antropólogos, historiadores e dos estudos da moderna ciência arqueológica, que reconstituíram a cultura do homem.

Consideramos como arte pré-histórica todas as manifestações que se desenvolveram antes do surgimento das primeiras civilizações e, portanto, antes da escrita. No entanto, isso pressupõe uma grande variedade de produção, por povos diferentes, em locais diferentes, mas com algumas características comuns.

A primeira característica é o pragmatismo, ou seja, a arte produzida possuía uma utilidade material, cotidiana ou mágico-religiosa: ferramentas, armas ou figuras que envolvem situações específicas, como a caça. Cabe lembrar que as cenas de caça representadas em cavernas não descreviam uma situação vivida pelo grupo, mas possuía um caráter mágico, preparando o grupo para essa tarefa que lhes garantiria a sobrevivência.

As manifestações artísticas mais antigas foram encontradas na Europa, em especial na Espanha, sul da França e sul da Itália e datam de aproximadamente de 25 000 a.C., portanto no período paleolítico. Na França encontramos o maior número de obras pré-históricas e até hoje em bom estado de conservação, como as cavernas de Altamira, Lascaux e Castilho.

Arquitetura

Os grupos pré-históricos eram nômades e se deslocavam de acordo com a necessidade de obter alimentos. Durante o período neolítico essa situação sofreu mudanças, desenvolveram-se as primeiras formas de agricultura e consequentemente o grupo humano passou a se fixar por mais tempo em uma mesma região, mas ainda utilizavam-se de abrigos naturais ou fabricados
com fibras vegetais ao mesmo tempo em que passaram a construir monumentos de pedras colossais, que serviam de câmaras mortuárias ou de templos. Raras eram as construções que serviam de habitação. Essas pedras pesavam mais de três toneladas, fato que requeria o trabalho de muitos homens e o conhecimento da alavanca.

Esses monumentos de pedras foram denominados "megalíticos" e podem ser classificados de: dólmens, galerias cobertas que possibilitavam o acesso a uma tumba; menires, que são grandes pedras cravadas no chão de forma vertical; e os cromlech, que são menires e dólmens organizados em círculo, sendo o mais famoso o de Stonehenge, na Inglaterra. Também encontramos importantes monumentos megalíticos na Ilha de Malta e Carnac na França, todos eles com funções ritualisticas.

Escultura

A escultura foi responsável pela elaboração tanto de objetos religiosos quanto de utensílios domésticos, nos quais encontramos a temática predominante em toda a arte do período. Animais e figuras humanas, principalmente figuras femininas, conhecidas como Vênus, caracterizadas pelos grandes seios e ancas largas, são associadas ao culto da fertilidade;

Entre as mais famosas estão a Vênus de Lespugne, encontrada na França, e a Vênus de Willendorf, encontrada na Áustria. Elas foram criadas principalmente em pedras calcárias, utilizando-se ferramentas de pedra pontiaguda.

Durante o período neolítico europeu (5000a.C. - 3000d.C.) os grupos humanos já dominavam o fogo e passaram a produzir peças de cerâmica, normalmente vasos, decorados com motivos geométricos em sua superfície. Somente na idade do bronze a produção da cerâmica alcançou grande desenvolvimento, em virtude da sua utilização na armazenagem de água e alimentos.

Pintura 

As principais manifestações da pintura pré-histórica são encontradas no interior de cavernas, em paredes de pedra e a princípio retratavam cenas envolvendo principalmente animais, homens e mulheres e caçadas, existindo ainda a pintura de símbolos, com significado ainda desconhecido. Essa fase inicial é marcada pela utilização predominantemente do preto e do vermelho e é considerada naturalista.

No período neolítico, a pintura é utilizada como elemento decorativo e retratando as cenas do cotidiano. A qualidade das obras é superior, mostrando um maior grau de abstração e a utilização de outros instrumentos que não as mãos, como espátulas.

Por volta de 2000 a.C. as características da pintura apresentavam um nível próximo ao de formas escritas, preservando porém seu caráter mágico ou religioso, celebrando a fecundidade ou os objetos de adoração (totens).
Sítios Arqueológicos

Desvendando a Arqueologia: uma viagem ao passado 
(Parte II – Tipos de Sítios Arqueológicos; Como são encontrados os Sítios Arqueológicos?)
Por Antonio Canto
Antes de iniciarmos a discussão sobre os métodos empregados na Arqueologia para o estudo detalhado dos sítios, vamos melhor entender o que são sítios arqueológicos e como eles podem ser classificados? 
Define-se como sítio arqueológico o local utilizado pelos grupos pretéritos para as suas habitações (moradia) e todas as atividades que permitiram a sua subsistência, cujos testemunhos (vestígios arqueológicos) encontram-se espacialmente distribuídos. 
Neste caso, a área ecológica que envolve os locais ocupados por estes grupos para a caça, a pesca, a coleta e a agricultura pode ser estendida a sítios arqueológicos, pois consideramos muito importante entender o espaço (o cenário) em que os sítios foram construídos. 
A partir de algumas características ecológicas e ambientais da localidade em que estão os sítios arqueológicos, poderemos compreender com mais facilidade como viveram os nossos antepassados e como eles utilizaram o meio ambiente para suprir as suas necessidades. 
Para que o arqueólogo possa classificar os tipos de sítios arqueológicos na sua pesquisa, existem algumas características que os definem muito bem. Os tipos mais comuns são os seguintes:

1) SÍTIOS CERÂMICOS / LÍTICOS (LITO-CERÂMICOS)

Neste tipo de sítio há a predominância de materiais cerâmicos em sua superfície, sendo um indício para esta classificação. 
Ao escavar este tipo de sítio, o arqueólogo encontra uma quantidade considerável de cacos de cerâmicas, ou mesmo cerâmicas inteiras, geralmente associadas a outros elementos arqueológicos, como por exemplo, os artefatos líticos (ferramentas em pedra), ossos e restos de alimentos. 
Algumas peças, como urnas funerárias (objetos pra colocação dos mortos), potes de barro para utilidades culinárias, para conter líquidos, armazenamento, dentre outras funções, são muito comuns neste tipo de sítio.


                                                          Urna Funerária Tupiguarani. 
                                   Foto: A. Prous (in: Revista Ciência Hoje On-line – 2005). 
Ilustram como material cerâmico encontrado nesses sítios, utensílios como: pratos, tigelas, vasos, urnas funerárias, enquanto que as machadinhas, os moedores, os raspadores, as lascas, as pontas, dentre outros objetos, caracterizam os artefatos líticos.

Instrumentos em pedra lascada: em cima, quatro raspadores em forma de quilha de barco e uma ponta de dardo; embaixo, duas facas e dois talhadores. 
Foto: Pedro Ignácio Schmitz (in: Revista Ciência Hoje On-line – Dez. 2004).


2) SÍTIOS DE ARTE RUPESTRE

Como já discutimos na parte I dessa série, a arte rupestre pode ser entendida como as pinturas e as gravações realizadas nos paredões de rocha pelos grupos pré-históricos, possivelmente na intenção de contarem a história do seu dia a dia. 
Este tipo de sítio está geralmente associado ou próximo a sítios cerâmicos / líticos. Mas existem casos em que as pinturas e as gravuras foram realizadas em áreas que não permitiam o estabelecimento de moradia. Nestes casos, o arqueólogo registra-o apenas como sítio de arte rupestre.


Representação de figura humana e animais estáticos da tradição Agreste encontrada no Parque Nacional da Serra da Capivara (PI). 
Foto: Revista Ciência Hoje On-line (Nov. 2003).



Gravuras Rupestres - Pedra do Ingá/PB. 
Foto: Antonio Canto.


3) OS SAMBAQUIS 

Este tipo de sítio, na forma de pequenas montanhas, encontra-se geralmente próximo a superfícies aquosas como mar, rios, mangues, lagunas, etc. 
Os grupos pré-históricos sambaquieiros construíram esses montes utilizando conchas, restos de habitações, alimentos, dentre outros elementos que, junto com os sedimentos (areia), formaram esta elevação. 
Esse tipo de sítio pode atingir tamanhos variados, sendo, como anteriormente citado, de 2 a 30 metros de altura e, aproximadamente, 100m de diâmetro.


Sambaqui (Santa Catarina) 
Foto: Revista Ciência Hoje On-line


4) SÍTIOS HISTÓRICOS

Para este tipo de sítio podemos identificar ruínas de edificações ou mesmo a edificação propriamente dita, como fortes, igrejas, prédios antigos, engenhos e monumentos. 
Associados aos materiais encontrados nestes sítios estão os canhões, armas de fogo, balas, moedas, louças / faianças, garrafas dentre outros objetos.



Sítio Histórico de Olinda (PE).


REFERÊNCIAS


CANTO, Antonio. 2003. Tópicos da Arqueologia. Rio de Janeiro: CBJE. 66 p.


 VÍDEO




2 comentários:

  1. TURMA=7a


    1)A escultura foi observada por qual observação?

    2)Em que local são encontrada as principais manifestações da pintura pré-historica?

    3)o que são grupo pré-historico?

    4)Esses grupos humanos já dominavam o fogo e passaram a produzir? o que?

    5)A quanto tempo as manifestações mais antigas foram encontradas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns Marcos! Etapa concluída.
      Abraço,
      Professor Max

      Excluir